29 novembro, 2012

Gostava de Acreditar


Gostava de Acreditar

Por Maria Filomena Mónica

POR VEZES, há coincidências que espantam. Hoje, dia em que estou a escrever, tive conhecimento que o Primeiro-Ministro pedira aos portugueses para «não deixarem de acreditar no futuro», que a maioria PSD/CDS ia avançar com uma proposta de alteração ao Orçamento Geral do Estado a fim ter autorização para aplicar uma taxa às pensões mais altas podendo ir até 50% do valor mensal (a ser cobrada de uma só vez) e que, após ter sido ouvido o Senado Universitário, a Universidade de Lisboa decidira conceder-me o título de Investigadora Emérita, com base em que me teria distinguido pela «continuada acção ao longo dos anos, pelo prestígio adquirido no seu campo académico e científico e pela projecção nacional e internacional da Universidade de Lisboa». Por suspeitar que o título me fora atribuído não tanto pelo reconhecimento do meu trabalho mas por critérios burocráticos, fiquei sem saber como reagir, o que pouca importância tem diante do apelo do Primeiro-Ministro.
 
Gostava de acreditar que o montante dos subsídios - de Natal e de férias – que para o ano me vai ser retirado, bem como o do corte na pensão «doirada» que recebo, não iriam ser canalizados para o aumento da frota automóvel dos governantes, para a contratação de adjuntos inúteis ou para a criação de «Observatórios» universitários que só observam o que os governos lhes aponta, mas dirigidos para que a escola pública tivesse prestígio, para que o sistema de justiça fosse responsável e para que os centros de saúde se tornassem eficientes. Gostava ainda de acreditar que a Mafalda, a fisioterapeuta que me pôs o corpo direitinho, poderia ter o filho que deseja, que a D. Isaura, a funcionária pública que me atura, conseguiria arranjar um lar onde a mãe, sofrendo de Alzheimer, pudesse ser humanamente tratada, que a Verónica, que terminou o curso de História com brio e glória, arranjasse um emprego e que a D. Rosa, a minha mais próxima vizinha, não seria obrigada, por não ter dinheiro com que os pagar, a reduzir os medicamentos de que carece. Em suma, gostaria de pensar que os sacrifícios que me vão ser impostos no final de uma carreira que a instituição a que pertenço considera susceptível de distinção serviriam para dar conforto aos menos afortunados, mas conheço bem demais os poderosos do meu país para acreditar que isso venha a suceder.
 
No que diz respeito a sacrifícios, os governantes deveriam aliás ser os primeiros a dar o exemplo. Que sentido faz o Presidente da República receber, não pelas funções que exerce, mas como pensionista (da CGA e do Banco de Portugal)? Não se indigne já o leitor, pois há pior. Após ter descoberto que a sua reforma, como ex-juíza do Tribunal Constitucional (7.255 euros), era superior ao salário que auferiria na Assembleia da República (5.219 euros), Assunção Esteves optou pela primeira, mantendo todavia o direito às ajudas de custo, no valor de 2.133 euros.

Enquanto os que podem rapam o tacho, os pobres olham-nos com ódio ou, na melhor das hipóteses, com desprezo.

«Expresso» de 26 Novembro de 2011

06 novembro, 2012

Será que isto está a ser cumprido?


Já era para ter trazido a este espaço alguns considerandos sobre a actual situação sócio económica que neste momento estamos a atravessar.
Por muito que às vezes queiramos falar bem do que quer que seja, a verdade é que as coisas menos boas atravessam-se-nos a catadupejar, e não permitem que vejamos com nitidez as melhores.
Ao lermos/vermos/ouvirmos as notícias em geral nos mais diversos órgãos de comunicação social, acabamos por ficar com um sentimento estarrecedor.
Dia a dia, semana a semana, mês a mês os problemas acumulam-se, e as soluções são sempre as mesmas e sempre para os mesmos.
Felizmente(?) estamos a ouvir algumas pessoas com conhecimento das mais diversas matérias, levantar a voz e começarem a questionar a classe política sobre as decisões. Já é tarde. Mas como diz o nosso povo, mais vale tarde do que nunca.
Nos mais diversos espaços de opinião cibernéticos, ex.: facebook, twitter, etc… estamos a ver muita gente a manifestar a sua não concordância com decisões tomadas.
O bastonário da Ordem dos Advogados, Marinho e Pinto, no Notícias ao Minuto do dia 05/11/2012, http://www.noticiasaominuto.com/politica/18319/marinho-e-pinto-denuncia-golpe-de-estado-palaciano, vem dizer que alguém está a querer “subverter” a Constituição.
Como é possível que alguém com responsabilidades políticas, possa não respeitar a Constituição? Inadmissível.
Mas já que falamos de Constituição, vejamos o que ela diz num ou outro artigos.

 

Artigo 9º (Tarefas fundamentais do Estado), alínea d)Promover o bem-estar e a qualidade de vida do povo e a igualdade real entre os portugueses, bem como a efectivação dos direitos económicos, sociais, culturais e ambientais, mediante a transformação e modernização das estruturas económicas e sociais.”  

 Isto está a ser feito?
Alguns dos portugueses não se lembram de ter estado tão mal, quanto hoje.
A forma como actualmente vivemos, pode chamar-se de qualidade de vida?
E que dizer da igualdade entre os portugueses?
Nunca houve tanta desigualdade e cada vez mais acentuada. 

Artigo 13º (Princípio da igualdade), ponto 2, “ Ninguém pode ser privilegiado, beneficiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual. 

Será que não há gente privilegiada a aposentar-se com idade muito inferior ao que é exigido à maioria dos trabalhadores portugueses?  

Artigo 23.º (Provedor de Justiça) ponto 1.Os cidadãos podem apresentar queixas por acções ou omissões dos poderes públicos ao Provedor de Justiça, que as apreciará sem poder decisório, dirigindo aos órgãos competentes as recomendações necessárias para prevenir e reparar injustiças.”

Sinceramente tenho alguma dificuldade em entender este ponto.
Então eu vou apresentar uma reclamação contra o Ministério das Finanças por qualquer motivo. Depois o Provedor vai enviar a minha queixa para qualquer departamento governamental.
E depois? O mais certo é voltar ao início. Enfim. 

Artigo 59.º (Direitos dos trabalhadores) 2.Incumbe ao Estado assegurar as condições de trabalho, retribuição e repouso a que os trabalhadores têm direito, nomeadamente:
a) O estabelecimento e a actualização do salário mínimo nacional, tendo em conta, entre outros factores, as necessidades dos trabalhadores, o aumento do custo de vida, o nível de desenvolvimento das forças produtivas, as exigências da estabilidade económica e financeira e a acumulação para o desenvolvimento; 

Será que isto está a ser cumprido?
A actualização do salário mínimo em função do do custo de vida?
Tenho dúvidas para não dizer que tenho certezas. 

Artigo 65.º (Habitação e urbanismo) 1. “ Todos têm direito, para si e para a sua família, a uma habitação de dimensão adequada, em condições de higiene e conforto e que preserve a intimidade pessoal e a privacidade familiar.”

Será que isto está a ser cumprido? 

Artigo 70.º (Juventude) 2.A política de juventude deverá ter como objectivos prioritários o desenvolvimento da personalidade dos jovens, a criação de condições para a sua efectiva integração na vida activa, o gosto pela criação livre e o sentido de serviço à comunidade.”

Será que isto está a ser cumprido? 

Artigo 81.º (Incumbências prioritárias do Estado) Incumbe prioritariamente ao Estado no âmbito económico e social:
“ a) Promover o aumento do bem-estar social e económico e da qualidade de vida das pessoas, em especial das mais desfavorecidas, no quadro de uma estratégia de desenvolvimento sustentável;
b) Promover a justiça social, assegurar a igualdade de oportunidades e operar as necessárias correcções das desigualdades na distribuição da riqueza e do rendimento, nomeadamente através da política fiscal;”

Será que isto está a ser feito? 

Muitos mais artigos poderíamos ir ver à Constituição e saber se estão a ser respeitados, mas não vale a pena, pois a desilusão seria muito maior.
Não vale a pena culpar esta ou aquela pessoa.
São muitos.  

Os próximos 7/8 anos vão ser ainda muito mais problemáticos e difíceis para os mais desfavorecidos que infelizmente somos cada vez mais.

 

 

 

 

02 novembro, 2012

...roubam-nos a lua e...arranca-nos a voz…


 
Na primeira noite eles aproximam-se…
e colhem uma flor do nosso jardim…
e não dizemos nada…
Na segunda noite,

Já não se escondem,
...pisam as flores…matam o nosso cão…
e não dizemos nada…
Até que um dia…

o mais frágil deles…
entra sozinho em nossa casa…
rouba-nos a lua e, conhecendo o nosso medo, arranca-nos a voz da garganta…
E porque não dissemos nada…
…já não podemos dizer nada…

Vladimir Maiakóvski (…escreveu ainda no inicio do Séc. XX…)

 
Primeiro levaram os negros,
Mas não me importei com isso…eu não era negro…
Em seguida levaram alguns operários…
Mas não me importei com isso…eu também não era operário…
Depois prenderam os miseráveis,
Mas não me importei…porque não sou miserável…
Depois agarraram uns desempregados,
Mas como tenho o meu emprego…não me importei com isso…
Agora estão me levando a mim…
Mas já é tarde…ninguém se importa comigo…

Bertola Brecht (1898-1956)

Um dia vieram e levaram o meu vizinho que era Judeu…
Como não sou Judeu…não me importei…
No dia seguinte vieram e levaram o outro vizinho que era comunista…
Como não sou Comunista…não me importei…
No terceiro dia vieram e levaram o meu vizinho católico…
Como não sou Católico…não me incomodei…
Ao quarto dia vieram e…me levaram…
…não há mais ninguém para reclamar…

 
Martim Niemöller – 1933 (Símbolo da resistência aos nazis)

 
 
…incrível é que, após mais de cem anos, ainda nos encontremos tão desamparados, inertes e submetidos aos caprichos da ruína moral dos poderes governantes, que vampirizam o erário, aniquilam as instituições e deixam aos cidadãos os ossos roídos e o direito ao silêncio…porque a palavra…há muito se tornou inútil…
 
 
 



"Meus senhores, como todos sabem, há diversas modalidades de Estado. Os sociais, os corporativos e o Estado a que chegámos. Ora, nesta noite solene, vamos acabar com o Estado a que chegámos!"

Salgueiro Maia, na madrugada de 25 de Abril de 1974".
 
...entretanto...dia 14 de Novembro 2012...vamos ter Greve Geral...no nosso quintal...
 
 
João Neves
 

 

17 outubro, 2012

Será granito?...ou não?


“Desde criança e ao longo das minhas frequentes estadias em Almeida, múltiplas vezes ouvi dizer que a Rainha D. Maria I, perguntava se as muralhas de Almeida eram de pedra/granito ou se eram construídas de ouro, tal o peso que a sua construção representava no tesouro real. Actualmente, começo a pensar que os Almeidenses poderão começar a perguntar se as obras envolventes da velha fortaleza amuralhada são de granito…E que granito ou se são de ouro, tal a sua opulência, para mim exagerada.

Almeida não precisa que a embelezem pois bela já é.
Precisa sim que a conservem e preservem, o que, na realidade, não vejo.

Dou uma volta pelas muralhas e vejo pedras caídas e não vejo que pensem mandar colocá-las no seu devido lugar. Vejo o “cancro vegetal” existente nos muros e pronto a destruir a sua integridade, com alguns pontos já desmoronados.
Não vejo, não “sinto” que haja movimentação política que ajude a obviar esta visível destruição.

Como poderia Almeida ser Património Mundial se algum observador, decisor, percorresse o fosso, no sentido dos ponteiros do relógio, das Portas de S. Francisco às de Sto. António? Diria que é a sua conservação o que mais desejaria ver.

Para finalizar, gostaria de saber onde começa e acaba o Monumento ao 25 de Abril. É que ao ler o autor do projecto – João Antero, o escultor e Paulo Melo Veiga preparação da obra – Revista CEAMA nº 2 – fico confuso. Será que existem mais intervenientes?

Desculpem-me o tempo que vos roubei.
Obrigado a todos.”

Henrique Vilhena
(Deputado da Assembleia Municipal de Almeida, eleito pelo CDS-PP)

Declaração lida e transcrita na Acta nº 14 de 29/06/2012 – Assembleia Municipal de Almeida
P.S. - Já agora...como estará de saúde a coligação PSD/CDS-PP?





 

19 setembro, 2012

O preço das ilusões que vendemos.



…em 25-06-2012…


o Cavaquistão apresenta factura do betão ao senhor Aníbal

O excesso de longevidade política tem destas coisas. Dá para ver anos depois, ao vivo, o preço das ilusões que vendemos.

Castro Daire, um pedaço do Cavaquistão de Viseu, epicentro das maiorias absolutas de Cavaco Silva em 1987 e 1991, onde em 2006 e 2011 Cavaco teve percentagens superiores a 70% de votos como candidato presidencial assobiou o seu herói.
Não quer que o tribunal de Castro Daire seja extinto, tal como está previsto na proposta do novo mapa judiciário.
Castro Daire é um excelente protótipo do concelho gastador em obras públicas.
É pobre, tem pouca indústria e poucas empresas produtivas.

O sector mais importante é a construção civil, que vive praticamente das obras que o município adjudica, biblioteca, auditório, piscinas, complexo desportivo, requalificação de ruas, repavimento de estradas etc, etc.
Em 2009, o PS ganhou a Câmara Municipal, com este modelo de desenvolvimento na boca.

Perde população desde há anos mas continua a construir.

Ontem, Cavaco Silva foi inaugurar o Parque Urbano, uma obra que custou quase 1 milhão de euros (no entanto, financiada a 85% pelo FEDER).

É difícil explicar a Castro Daire, e a outros tantos concelhos portugueses que viveram sempre deste modelo de desenvolvimento do cimento, que devem cortar com ele.

Cavaco colhe hoje os ventos que semeou.

O seu grande legado como primeiro-ministro são, no tempo das vacas gordas, as obras públicas, as auto-estradas, os viadutos, o CCB.
Nunca apostou no mar, nunca bateu o pé ao desmantelamento das pescas, da marinha mercante, dos portos, da agricultura.
É ele o grande responsável por esta ilusão de vida no betão que alastrou da administração central para as autarquias precisamente no tempo do cavaquismo.
Sob a capa do pretenso reformador e do tecnocrata rigoroso, Cavaco criou um país inviável.
Tem a agravante de nunca ter emendado a mão.

Em 2000, lançou-se ao monstro da despesa pública de Guterres como mera guerrilha política, sem dizer no concreto onde se devia cortar, no Estado, nas autarquias, nas obras públicas, sem indicar soluções visionárias aos muitos Castro Daire, um novo modelo judicial, extinção de tribunais, um novo modelo administrativo, com modelos assentes na produção e não no betão, o fim das coutadas políticas, num arco de poder local que abrangeu todos os partidos, inclusivé o PCP, o fim das contratações em massa nos municípios, as contratações políticas e as contratações para abafar o desemprego no concelho à custa de mais dinheiros públicos.
A partir de 2007 lançou-se noutra guerrilha a Sócrates, com a necessidade de falar verdade, também sem enunciar soluções concretas.

Ele que nunca teve a coragem de falar preto no branco aos portugueses das questões difíceis, das que ninguém gosta de ouvir.... falou da verdade.
Com ela acabou por nos enganar.
Hoje continua o mesmo.

A troika pede ao governo para extinguir metade das autarquias, porque sabe bem de onde vem parte do despesismo, mas Cavaco mete a cabeça na areia.

Tem medo de dizer o que o povo não quer ouvir, do choque, do divórcio com os portugueses por lhes falar verdade.

No fundo, nunca soube governar em tempos difíceis, que é onde se vêem os verdadeiros governantes...



Expresso – 25/06/2012

P.S. – Qualquer semelhança com a realidade local pode ser pura coincidência…

21 agosto, 2012

SER OU NÃO INDIFERENTE - Eis a questão


Atenta ao desânimo de uns, acatamento e indiferença de outros, deixo aqui para os interessados uma declaração entregue na última sessão da AM que uma vez mais ilustra o desprezo a que frequentemente são votados os membros da Assembleia que não alinham pelo conformismo. Faço-o, tendo em atenção a indignação expressa neste blogue pela passividade da oposição e apenas para que saibam que, mesmo sem que seja possível alterar o status quo resultante da escolha dos próprios almeidenses nem todos se resignam, sendo de lamentar que mais vozes não se unam na contestação clara e firme do rumo que Almeida há demasiados anos tem traçado. Faço votos que aos poucos as mentes se abram para o óbvio e que os eleitores se rendam à evidente necessidade de mudança nos agentes de governação do concelho.


Exmo. Senhor Presidente da Assembleia Municipal de Almeida
Senhores Membros desta Assembleia Municipal,

Na última sessão, no passado dia 27 de Abril, apresentei ao Presidente desta Assembleia uma declaração de protesto por ter sido negada a palavra a um membro da Assembleia Municipal na cerimónia evocativa do 25 de Abril, com um pedido de revisão dessa posição. No período de resposta, o Sr. Presidente [da AM], perante os membros presentes, optou por uma atitude sarcástica, voltado apenas para uma parte da sala, esforçando-se por não me olhar, proferindo expressões como “quando a Sra. for eleita presidente desta Assembleia, tendo a certeza de que isso acontecerá, pois todos os membros aqui presentes votarão em si, e então a Sra. fará como entender…” e “enquanto eu for Presidente eu é que decido”, negando-me depois o uso da palavra, nem sequer em nome da defesa da honra, um direito aprovado por esta Assembleia que todos aceitamos respeitar, mas que apenas lhe fez acrescentar que eu “fizesse como entendesse”, “ditasse para acta” – contudo, logo proibindo-me de o fazer… e com isso forçando a que hoje volte novamente a evocar o assunto para dizer o seguinte:

·         Do esforço de ironia e da atitude tomada pelo Sr. Presidente não resultam qualquer prestígio para a sua pessoa, tão-pouco para a imagem que procurou criar de um político sensato e equilibrado; antes, reforçou junto dos presentes uma faceta e um tom que têm muito mais a ver com um homem inseguro, controladamente irritado, que acaba sempre por meter os pés pelas mãos para se justificar.
·         Pessoalmente, tenho de confessar que, em vez de indignação, me causou pena ver uma cena tão patética nesta Assembleia… Se há uns anos ma tivessem contado, teria tido dificuldade em acreditar, mas fui observando que muita coisa é possível, até o inverosímil. Acredito serenamente que outros vão fazendo aprendizagens semelhantes, pois como celebrava o nosso grande poeta Camões “o mundo é composto de mudança”…

·         Não foi a primeira vez que me impediu o uso da palavra. Da outra vez, foi ao ponto de suspender a sessão porque denunciei uma atrocidade que foi e continua a ser cometida pelo Sr. Presidente da Câmara. Com essa e outras situações, fui-me habituando a ver que o Sr. Presidente da Assembleia não exerce as suas funções de forma isenta. Mas eu compreendo-o bem, e perdoo-lhe até, no seu esforço de solidariedade para com um executivo que lhe sucedeu por sua própria recomendação.
·         Compreendo-o cada vez melhor e, por incrível que pareça, estou grata por todas as aprendizagens que tenho feito, algumas duras e ingratas, de que esta terra faz parte: em tempos, acreditei que havia pessoas bem-intencionadas que queriam o bem de Almeida; afinal descobri que o que há é muito quem olhe pelos seus próprios interesses, aos poucos, desvendando-se uma teia de interesses mesquinhos, egoístas, arrogantes e hipócritas… fazendo o espírito de partilha e de esforços ser consumido numa voracidade que não respeita um mínimo de dignidade.
·         Hoje a minha família, apesar de desiludida com o rumo que Almeida tomou, vive muito mais tranquila por não se ver associada a nenhuma dessas situações. E eu revejo-me nela, igualmente tranquila, apesar da decepção, mas também determinada a não desperdiçar a tomada de consciência em atitudes de subserviência e cobardia.

·         Creio que o Sr. Presidente, hoje desta Assembleia, e anteriormente desta Câmara, foi o primeiro a deixar-se enganar pelas fantasiosas ideias de progresso, quando depois de assinar Programas de Recuperação de Fachadas onde os proprietários eram obrigados a respeitar projectos contratados a metro para supostamente manter uma coesão de construção tradicional no centro histórico, dificultando sempre outras opções de recuperação de casas, ainda que visassem um maior conforto, acabou depois, já em final de mandato, por autorizar a construção de um caixote-mamarracho aqui mesmo defronte da Câmara, que hoje berra inútil e desenquadrado, com os dejectos dos pássaros a expressar melhor que tudo a mais-valia que trouxe a Almeida, bem como à capacidade dos seus habitantes reagirem a semelhantes contradições… Resta saber quem ganhou com isso, mas Almeida não foi certamente!

·          Sr. Presidente, ainda estaria a tempo de remediar um pouco o mal que fez, se optasse por um pouco mais de humildade e aceitasse que nem todos têm que estar nesta Assembleia, mudos e quedos ou a bater palmas ao que de errado continua a ser feito, deixando que quem foi eleito pelo povo para aqui fazer defender os seus interesses, possa para isso livremente usar da palavra sem ser impedido, como tem acontecido de forma tão arbitrária.

·         Não queira, Senhor Presidente, acrescentar mais ao contra-senso que já existe: ficar associado ao impedimento do exercício democrático num município que se empenhou para inaugurar um monumento ao 25 de Abril. Num pretensioso traçado em forma de colher de pau que, além de nos obrigarem a contornar, nos tentam enfiar pelas goelas num esforço de calar a contestação do mau gosto, do desperdício e do prejuízo. Não nos comam por parvos! Para que fique bem claro e não torne a servir de argumento: não é contra um monumento ao 25 de Abril, mas contra este tipo de construção – outro mamarracho, que não serve o interesse de Almeida, favorecendo apenas a imposição de projectos, com negócios de granitos e candeeiros à mistura. E, desgraçadamente, não passa de uma presunçosa manifestação demonstração de “quero, posso e mando”, num município onde não se respeita o direito de liberdade de expressão para sufocar a diferença de opinião.

29.06.2012
Maria Clarinda Moreira


06 agosto, 2012

...finalmente...


...as promessas...como as pessoas...perdem a força quando 
   envelhecem!
...esta chegou tarde...mas chegou!
...ou não?...



11 julho, 2012

LARGO DA PEDREIRA




Curiosa e irónica coincidência, na ocasião da divulgação do património histórico de Elvas ser reconhecido como Património Da Humanidade pela Unesco, em Almeida inaugurava-se com pouca pompa e circunstância um deslocado, caro  e intrusivo memorial num “arranjo” do Largo 25 de Abril, hoje conhecido (como ouvi a um transeunte) por Largo da Pedreira, invadindo o espaço da Praça-Forte e ensombrando a primeira Porta da S. Francisco. 

Assim se desbaratam os dinheiros públicos, cerca de 1 milhão de euros, em obras espúrias e empobrecedoras do património histórico, quando há tanto para reconstruir e conservar no Monumento Nacional que são as Muralhas de Almeida, incluindo interiores e envolventes. 

Qual a razão de mais um exemplo deste tipo de “arquitectura desgarrada” de que Almeida é fértil, principalmente nestes últimos anos? Os exemplos, infelizmente vários, incluem a decoração da porta em jeito de estação de metro, pirâmides envidraçadas sobre a Porta de Stº António, o tristemente famoso “mamarracho”, na Praça da Liberdade mesmo nas ventas da Câmara, parede e chaminé em falso alçado na antiga Praça de S. Vicente, actual Praça Dr. Casimiro Matias, a intervenção desfigurada nas casamatas com esplanada e monta-pratos (mais parecendo uma latrina de obras), e é claro sem qualquer utilidade… enfim, outras um pouco por todo lado, com desarranjos de toda a espécie e profusão.
Os exemplos referidos não acrescentaram qualquer valor a Almeida. Pelo contrário, constituíram delapidações no património construído impostas ao que foi uma praça-forte antes preservada no seu todo, razão da sua valia original.

Os poderes instituídos, particularmente os gerentes camarários, ávidos de “deixar marca” para a posteridade e arvorando eficiência a candidaturas de fundos comunitários para garantir comparticipações que todos temos de pagar, empobrecendo-nos de qualquer forma, com deficit cultural, bom senso e bom gosto insuficientes, parecem gostar da maviosa música que diplomados contratados lhe vão tocando aos seus pouco educados ouvidos, impingindo-lhes sinfonias de mamarrachadas, em roupagens  de modernidade com um suposto integracionismo arquitectónico, mas que não passam de exemplos  de mau gosto  num pastiche aparolado. Adiante.
…..

Os almeidenses, infelizmente, deixaram de ter sensibilidade para questões de brio no seu património e, como a Câmara é a maior empregadora do concelho, pensam que os seus gestores a não serem eleitos, eles, os votantes e seus familiares, deixariam de ter emprego…  Assim, agachados e anestesiados na sua vontade, os tempos vão passando e a Praça-Forte cada vez mais incaracterística vai ficando.  A última obra-prima é uma ciclovia em redor e furando a Estrela, invadindo a zona de protecção ao monumento, com quilómetros de guias em granito, por vezes mesmo em duplicado (pois claro, o granito nunca pode faltar), num traçado por onde todos os dias circularão centenas senão milhares de ciclistas… E óbvio, o que é “vendido” aos leigos … é que se trata de um enorme benefício, uma inteligente negociação com a EDP, agora também dos chineses, quem sabe virão pedalar por ali…

Fácil é gastar o dinheiro dos outros (ou seja, dos nossos impostos). Difícil é geri-lo de forma criteriosa e efectivamente útil.  Recomenda-se aos decisores camarários e outros quejandos que têm subscrito tanta barbaridade, um curso de economia elementar, já! E à maioria dos almeidenses que abram bem os olhos… pois, numa atitude a roçar a patetice, são quem tem permitido todo este desvario que nos empobrece a olhos vistos. Enquanto uns são classificados pelo seu património por restaurar, Almeida fica embasbacada a ver calhaus novos amontoados a deitar água… e à espera que uns esplendorosos candeeiros dêem maracujás…




Rui Brito da Fonseca

30 junho, 2012

Elvas...UNESCO classifica Património Mundial

A maior fortificação abaluartada do mundo, em Elvas, foi hoje classificada como Património Mundial, pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), revelou à Agência Lusa fonte do município.
As fortificações de Elvas foram classificadas, na categoria de bens culturais, ao início da tarde de hoje na 36.ª sessão do Comité do Património Mundial, que está reunido até 06 de julho, em São Petersburgo, na Rússia.
O conjunto de fortificações de Elvas, cuja fundação remonta ao reinado de D. Sancho II, é o maior do mundo na tipologia de fortificações abaluartadas terrestres, possuindo um perímetro de oito a dez quilómetros e uma área de 300 hectares.
As fortificações de Elvas constituíam o único monumento português entre os 33 candidatos que fazem parte da lista de Património Mundial, elaborada pela Unesco.

A fonte do município explicou à Lusa que foram classificadas todas as fortificações da cidade, os dois fortes, o de Santa Luzia, do século XVII, e o da Graça, do século XVIII, três fortins do século XIX, as três muralhas medievais e a mudalha do século XVII, além do Aqueduto da Amoreira.
Classificado como Património Nacional em 1910, o Forte da Graça, monumento militar do século XVIII situado a dois quilómetros a norte da cidade de Elvas, constitui um dos símbolos máximos das fortalezas abaluartadas em zonas fronteiriças.
O Conselho Internacional dos Monumentos e Sítios (ICOMOS) já tinha dado parecer “decisivo e favorável”, tendo sido provado que as fortificações da cidade alentejana “reúnem o valor universal excecional, que é o principal para que uma candidatura seja aprovada”, segundo a vereadora da Cultura do município de Elvas, Elsa Grilo.



Por Agência Lusa - 30/06/2012




...deixo a minha pergunta...então e...Almeida?...não era presumível ser Património da humanidade também?...então não fomos parceiros de candidatura?...





25 junho, 2012

Factura do betão

Cavaquistão apresenta factura do betão ao senhor Aníbal


O excesso de longevidade política tem destas coisas. Dá para ver anos depois, ao vivo, o preço das ilusões que vendemos. Castro Daire, um pedaço do Cavaquistão de Viseu, epicentro das maiorias absolutas de Cavaco Silva em 1987 e 1991, onde em 2006 e 2011 Cavaco teve percentagens superiores a 70% de votos como candidato presidencial assobiou o seu herói. Não quer que o tribunal de Castro Daire seja extinto, tal como está previsto na proposta do novo mapa judiciário.

Castro Daire é um excelente protótipo do concelho gastador em obras públicas. É pobre, tem pouca indústria e poucas empresas produtivas O sector mais importante é a construção civil, que vive praticamente das obras que o município adjudica, biblioteca, auditório, piscinas, complexo desportivo, requalificação de ruas, repavimento de estradas etc, etc, Em 2009, o PS ganhou a Câmara Municipal, com este modelo de desenvolvimento na boca. Perde população desde há anos mas continua a construir. Ontem, Cavaco Silva foi inaugurar o Parque Urbano, uma obra que custou quase 1 milhão de euros (no entanto, financiada a 85% pelo FEDER)

É difícil explicar a Castro Daire, e a outros tantos concelhos portugueses que viveram sempre deste modelo de desenvolvimento do cimento, que devem cortar com ele. Cavaco colhe hoje os ventos que semeou. O seu grande legado como primeiro-ministro são, no tempo das vacas gordas, as obras públicas, as auto-estradas, os viadutos, o CCB. Nunca apostou no mar, nunca bateu o pé ao desmantelamento das pescas, da marinha mercante, dos portos, da agricultura.

É ele o grande responsável por esta ilusão de vida no betão que alastrou da administração central para as autarquias precisamente no tempo do cavaquismo. Sob a capa do pretenso reformador e do tecnocrata rigoroso, Cavaco criou um país inviável.

Tem a agravante de nunca ter emendado a mão. Em 2000, lançou-se ao monstro da despesa pública de Guterres como mera guerrilha política, sem dizer no concreto onde se devia cortar, no Estado, nas autarquias, nas obras públicas, sem indicar soluções visionárias aos muitos Castro Daire, um novo modelo judicial, extinção de tribunais, um novo modelo administrativo, com extinção de autarquias, modelos assentes na produção e não no betão, o fim das coutadas políticas, num arco de poder local que abrangeu todos os partidos, inclusivé o PCP, o fim das contratações em massa nos municípios, as contratações políticas e as contratações para abafar o desemprego no concelho à custa de mais dinheiros públicos.


A partir de 2007 lançou-se noutra guerrilha a Sócrates, com a necessidade de falar verdade, também sem enunciar soluções concretas. Ele que nunca teve a coragem de falar preto no branco aos portugueses das questões difíceis, das que ninguém gosta de ouvir.... falou da verdade.
Com ela acabou por nos enganar.
Hoje continua o mesmo.

A troika pede ao governo para extinguir metade das autarquias, porque sabe bem de onde vem parte do despesismo, mas Cavaco mete a cabeça na areia.

Tem medo de dizer o que o povo não quer ouvir. do choque, do divórcio com os portugueses por lhes falar verdade. No fundo, nunca soube governar em tempos difíceis, que é onde se vêem os verdadeiros governantes...



Expresso – 25/06/2012

P.S. – Qualquer semelhança com a realidade local pode ser pura coincidência…



16 junho, 2012

Sei que não vou por aí!


"Vem por aqui" --- dizem-me alguns com olhos doces,
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom se eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui"!
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos meus olhos, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali...



A minha glória é esta:
Criar desumanidade!
Não acompanhar ninguém.
--- Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre a minha mãe.

Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...

 

Se ao que busco saber nenhum de vós responde,
Por que me repetis: "vem por aqui"?
Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí...

Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.
Como, pois, sereis vós
Que me dareis machados, ferramentas, e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?...
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos...



Ide! tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátrias, tendes tetos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios.
Eu tenho a minha Loucura!



Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...


Deus e o Diabo é que me guiam, mais ninguém.
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.




Ah, que ninguém me dê piedosas intenções!
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou.
É uma onda que se alevantou.
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou,


--- Sei que não vou por aí.

José Régio







P.S. - ...mas acho que já é tarde...mesmo que a politica possa ser feita com…blogues…já deu...só lamento que este povo se julgue um animal muito livre... porque não o montam na anca...mas o desgraçado não se lembra da canga...


 
João Neves